.

domingo, 28 de fevereiro de 2010

REVOLTAA!!111!!!!!1

Eu sempre fico revolts com as novelas, em geral. Independente do canal, horário, tema... É tudo a mesma coisa! As pessoas que estão com toda a razão, são vilanizadas (?) na novela. E os mocinhos, são os cretinos, cafagestes e safados, da vida real. Vê se pode!
Tomemos como exemplo, a novela das sete"Tempos Modernos", da Rede Globo. A Nelinha, interpretada por Fernanda Vasconcellos, é uma tremenda de uma lambisgóia! Vejamos pelo lado que: Ela começou a 'namorar' o Zeca (Thiago Rodrigues) SABENDO que ele já tinha namorada! A Nara (Priscila Fantin)! Tudo bem que ela é uma superfofa, de personalidade forte. Eu até me identifico com ela, em alguns pontos -n.
Agora vejam o Leal Cordeiro (Antônio Fagundes). Ele não é o coitadinho não. Na novela, ele é o corretíssimo rei, e o Niemman (Marcos Caruso) é do mal e vingativo. Quando na verdade não é! O Leal ficou com a mulher dele. Vale ressaltar que ele era o seu melhor amigo e que o Leal era casado, na época. E teve um filho com a Hélia (Eliane Giardini), esposa do Niemann. Tudo bem que ele não sabe, mas PERAE, ELE ERA CASADO E PEGOU A MULHER DO AMIGO, diz aê.
E agora o Niemann que é o dumal, nojeto e tudo de eca.



Ok, vamos agora para "Viver a Vida". O que me deixa mais revoltada a ponto de socar a TV -n é esse lance de Jorge X Miguel. O autor da novela já quis escandalizar desde que Luciana (Aline Moraes) viajou pra Petra. Até aí Miguel (Mateus Solano) era um cafageste nojento que dava em cima da namorada do irmão e não levava nada a sério, o trabalho. O negócio dele era viver se preocupando com a Renata (Bárbara Paz), que nem ligava para os seus conselhos, mas era a-paixona-da por ele. O Jorge era um namorado, que apesar de não ter tempo pra Luciana, sempre que dava dizia que a amava e pan.
Voltando.. Só foi a Luciana viajar pra Petra, pras coisas mudarem /suspense.
Ela traiu o Jorge por lá (e ninguém até hoje tomou conhecimento dessa história.. mas agora que ela virou boazinha quem se importa, né?) .. Assim que voltou tetraplégica, o Miguel se transformou o homem mais romântico, responsável, fofinho e mimimi do mundo. Aproveitou-se de sua profissão pra dar em cima da namorada do irmão, que ele sempre amou.
Desde então, Luciana começou a se entregar nos braços dele e nem lembrava mais do Jorge. Tudo bem que ele mal a visitava, mas o Miguel tava na frente, por causa da sua profissão.
A partir daí as brigas dos dois, tornaram-se constantes e eu sempre dei apoio TOTAL ao Jorge, porque o Miguel dava SIM em cima da Luciana. Tudo bem que o Jorge exagerava de vez em quando, mas quem é que não tem ciumes da namorada com o próprio irmão? Daí Tereza, Ingrid, Leandro, Marcos E ATÉ MESMO A LUCIANA, começaram a dar razão ao Miguel, que se aproveitava do trabalho pra ganhar sua amada.
Aí as crises de ciume do Jorge se agravaram a ponto de não querer mais o irmão por perto da Luciana que já tava arrastando maior peixe pro lado do Miguel. Porque a Luciana não chegou pro Jorge e disse tudo o que sentia? Foi preciso ele sofrer tanto, ouvir de todo mundo, mesmo que indiretamente, que o cara certo pra sua namorada era seu próprio irmão?!
Enquando isso a "pobre" Renata ficou semanas sem notícias do Miguel, quando aproveitou pra pegar o bonitão do Rodrigo Hilbert. Até que FINALMENTE, Luciana decide terminar com o Jorge... Que se jogou na bebida, prostituas, drogas, BRINKS. /mas foi quase isso.
Agora vejamos a Isabel. Irmã da Luciana. Todo mundo a vê como a mimada malvada, quando na verdade NÃO É! Tudo bem que ela exagera, de vez em quando, mas ela é uma das personagens que eu mais gosto na novela e a mais realista! A Teresa dá SIM atenção maior pra Luciana, e o Marcos também. Até a Mia! Talvez a Mia se veja na obrigação de ficar babando a Luciana junto com os pais, pelo fato de ser adotada. Talvez ela não tenha coragem de dizer o que pensa com medo de, sei lá, jogarem tudo na cara dela e a expulsarem de casa Q /viajei, eu acho.
Mas, muitas vezes, a Isabel tá corretíssima. Ela é super carente do amor da mãe. E a Teresa e o Marcos exageram DEMAAAAAAIS nesse mimimi com a Luciana. Uma das cenas mais emocionantes, envolvendo a Isabel pra mim, foi uma que a Teresa disse; "Isabel, quando você for mãe, você irá me entender" /se referindo a Luciana, claro. Aí a Isabel respondeu; "Quando eu for mãe, eu só terei UM filho. Que é pra não correr o risco de ter preferências por um e por outro não. Como você e o papai."Aí ela se retirou. E a Teresa e a Mia ficaram achando aquilo um absurdo!! VÊ SE PODEE!

EU FICO REVOLTS COM ESSAS COISAS!





*Por favor não me esculachem nos comentários, ahaha. Dei minha opinião, poxa! xD
*Próximo post, já estarei normal. Tava precisando desabafar, hahahahaha. Beeijo!

[não consigo comentar nesse blog -> http://eusouajeyse.blogspot.com/ porque não tem o link pra comentário =S]

Continue lendo >>

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Apenas uma companhia.

E já não era aquilo que ela precisava. Não precisava de roupas novas, dos conselhos desnecessários, que já nem haviam mais. Ela não precisava de muito dinheiro. Precisava de uma companhia. De alguém que ela pudesse falar tudo o que já estava guardando a algum tempo. Não seria preciso palavras. Palavras machucam, às vezes. E ela não era boa em se expressar. Necessitava de um olhar compreensivo, companheiro. Só.
Ela precisava abandonar aquele sentimento que prendia suas lágrimas nos olhos, que a calava quando ela mais queria falar, aquele sentimento que dizia pra ela ser forte o tempo todo.
Já não adiantava mais esconder de si mesma o que estava sentindo. Não adiantava responder que tava bem o tempo todo e demonstrar uma suposta felicidade inexistente em seu olhar. Não adiantava! E ainda não adianta.

--
Tipo, eu achei esse texto meio sem sentido, bem nada a ver. Eu fiquei um tempão pra escrever apenas essas linhazinhas! É, eu tô meesmo sem inspiração. Por isso a demora pra postar aqui. Foi só pra atualizar mesmo (?) Beijo!

Continue lendo >>

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

So far and yet so near.


Foram dias tão bons com você, exatamente dezessete dias vividos intensamente. E eu me lembro daquele... Como sempre, eu acordei, e você já estava sentada na cama, olhando pra mim e rindo, dizendo que já estava a um tempão tentando me acordar e que eu não parava de mecher os pés quando você tocava no meu braço. Depois de um tempo, você me ajudou a vencer a preguiça e me esperou, até que eu tomasse banho, para que nós almoçassemos juntas.

No fim da tarde, nós fomos pra quadra de basquete, e eu assisti você jogar com um monte de gente. Você já tava morrendo, mas não parava de correr de um lado pra outro. Deve ser por isso que você perdeu a ultima partida, e ainda ficou dizendo que era por que eu não estava torcendo por você!

Já tava escuro, e nós estávamos muito cansadas e suadas, e fomos bem devagar subindo aquela ladeira que se tornou imensa, naquele dia. Você se imaginava A jogadora, e eu era a repórter que te entrevistava depois de uma derrota. Pois é, a líder de time, tem que ser forte sempre! Você estava toda empolgada, com direito a foto pra capa da revista e tudo, até autógrafos!

Nós já estávamos em frente àquela casa que tava tendo um aniversário todo cheio de balões e pessoas, quando você deu um grito e pulou em cima de mim, atraindo os olhares de todo mundo. Era só um sapo. Mais um sapo. Hahaha, e a gente saiu morrendo de rir feito duas abestalhadas até chegar em casa, passando de fininho, por trás dos outros sapos que encontrávamos no caminho, pra eles não nos notar e decidir, sei lá, nos atacar com o seu xixi letal, que você sempre falava.

Finalmente chegamos em casa, todas suadas, e morrendo de preguiça de tomar banho. Ficamos enrolando por um bom tempo, assistindo TV, até criamos coragem e você foi pra sua casa. Depois voltou. Nós já estávamos limpas! \o

Ficamos conversando naquela sala por um bom tempo. Eu estava deitada na rede, e você sentada no sofá, me balançando com os pés. Você até fez aquela dancinha, que todo mundo que tava lá fora viu, pela janela! Lembra?

Depois de muita coca-cola e conversas jogadas fora, fomos lá pra fora. Pra varanda. E você ficou deitada com a cabeça no meu colo, no chão. E eu fiquei mechendo no seu cabelo como você sempre fazia comigo. Meu cabelo que eu odeio pentear, você adora. A gente conversou sobre tudo. Assuntos super sérios que, como sempre, terminaram em besteira, tipo "você sabe piscar um olho só?" ou fazer aquele barulho com a boca, que parecia um gato, que só eu sei fazer. Mas só você sabe piscar o olho tão bem.

É, e esses mínimos detalhes podem até parecer besteira, mas são eles um das coisas que mais significa pra mim, esse detalhes que te fazem uma pessoa mais especial do que já é. Porque brincar de dar murro, nunca dizer "eu te amo", ficar pulando pelo shopping, esmagar sapos, pular na cama elástica de vestido, virar um barco, discutir sobre a Lua, treinar em casa as coisas que você me ensina, entender seus olhares e muitas outras coisas. É tudo muito significativo pra mim.

Porque apesar de você parecer ser uma ''sem sentimentos'', você é super gay por dentro, capaz de me dizer que eu não demonstro nada por você, me obrigando a fazer uma carta de madrugada, super gay também, e que foi respondida por outra mais gay ainda! Haha. Você sabe o que eu gosto e o que eu não gosto. Quando estou feliz ou triste. E sabe a hora certa de me dizer a coisa certa.

E agora você está tão longe. Longe o suficiente pra eu te amar mais.

Continue lendo >>

Selinho.

Ér, recebi e tenho que dar pra sete blogs. E dizer sete coisas de mim? Eu nem sabia o que era isso, depois ue eu vim me ligar, hihi. Mas obrigada Anninha e Ada (:






  1. Não gosto do lugar que moro, queria ir embora.
  2. Só me apaixonei uma vez.
  3. Sou muuito enjoada pra comer.
  4. Quero fazer vestibular pra Medicina, mas andei pensando em coisas nada a ver, tipo fazer IME ou ITA, que são concursos muito concorridos da aeronautica e do exército, e é ligado a Engenharia e tal. E para isso tô estudando na segunda, terça e quinta, a tarde toda na escola: Quimica, Física, Matemática, História e redação.
  5. Dizem que sou "bruta" às vezes, mas eu nem acho, hehe.
  6. Odeio gente pegajosa e que faz drama.
  7. Não aceito desconhecidos no Orkut.. (oi?)

E esse selinho vai PARAAAAAAAAAAAAA...

  1. caradecotoca.blogspot.com - de Ada Lílian
  2. aboutanninha.blogspot.com - de Anna Beatriz
  3. sooo-contagious.blogspot.com - de Anna Vitória
  4. tepegoas7.blogspot.com/ - ...
  5. b-glad.blogspot.com/ - de Thaís A.
  6. isthetop.blogspot.com/ - de Marie Raya
  7. colunadacary.zip.net/ - de Cary

Beijos.

Continue lendo >>

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Você se lembra?

Tá bem guardadinho na minha memória, quando você chegou na escola. Com uma farda super vermelha que se destacava na sua pele branquíssima. Você toda tímida, com seu óculos pretinho. Quase todo mundo já se conhecia, menos você, que raramente dizia uma palavra. Eu já tinha meu grupo de amigos, mas foi inevitável se tornar a sua também. No início, eu lembro, que alguns tinham ciumes da minha amizade com você, mas eu simplesmente não ligava.
Eu passei a voltar naquele transporte escolar azul, do seu pai, com você. E a gente conversava de tudo, desde o exercício de Matemática ao tênis rosa da menina da 4ª série. Você morava a poucos metros da minha casa e, por isso, éramos as ultimas a sairmos da van, o que rendia altos papos.
Eu amava meu professor de Português, aliás, o melhor que eu já tive! "Tio Beto". Ele gostava muito de mim também, me achava uma aluna super aplicada e sempre me emprestava seus livros, pra eu xerocar. Ah, ele me chamava de 'lagarta listrada', e eu simplesmente, achava o máximo. Confesso que ouve uma época que morri de ciumes do Tio Beto com você. Afinal, ele tava te babando demais, e eu sentia que ele não ligava mais pra mim, era tudo drama da minha parte (e olhe que eu odeio). E essa foi a nossa primeira briguinha! Não só nossa, mas da sala inteira! Nós não adimitíamos o nosso professor favorito babando uma NOVATA! Mas a gente passou apenas uns dois ou três dias sem se falar. Era quase impossível ficar sem falar contigo, estudávamos na mesma sala, voltávamos na mesma van, morávamos praticamente uma em cima da outra!
Foi um ano intenso esse nosso, hein?! Eu vivia na sua casa, comendo os deliciosos bolos de tia Lúcia, e apesar de morar pertinho de você, sempre que dava, eu almoçava lá. Eu adorava ir na sua casa e brincar de ser 'doutora'. Pegava um folha de ofício, e fazia um formulário que você respondia, e eu assinava, dava autógrafos, depois pegava a chave do meu carro e dirigia até a minha casa. Então, era a sua vez de ser 'doutora'. Era engraçado o jeito que nós estudávamos, você lembra? Eu fazia um questionário pra você e você pra mim. Aí respondiámos e corrigíamos com direito ao visto e tudo mais. Eu lembro aquele dia que você passou a tarde lá em casa, e nós nos divertimos com a rede, balançando pra lá e pra cá, e na hora de lanchar, você, com vergonha da minha mãe (?) tomou um suco de acerola mesmo sem gostar! Hahah, bestinha! Eu que não tomaria um suco sem gostar, na sua casa!
Eu lembro também do dia em que você menstruou pela primeira vez. Menina, era uma super novidade, aquilo, pra mim, fiquei pasma! Foi na reunião de pais e mestres, em que eu fiquei lá na frente junto com meus amigos e você, toda adulta, no meio dos pais, sentada, ouvindo a diretora fazer aquele velho e chato discurso.
Até que um dia, a gente brigou. E nem foi pessoalmente. E por motivos muito bestas, deixamos de nos falar de verdade. Eu já tinha mudado de bairro, de escola. Pra mim ficaria mais fácil deixar de falar com você. Pra você talvez, não. Ou talvez sim.
Eu fiz novos amigos, e como fazia muito tempo, a nossa amizade já não me fazia tanta falta assim. Mas vê como é o destino! Voltamos a nos falar de novo, e a intensidade da amizade voltou. Nós voltamos a fazer as mesmas coisas (menos brincar de doutora, ahaha). Eu dormia na sua casa, fazíamos programas de amigas... E um que eu nunca vou esquecer, foi aquele dia que você e nossa outra amiga, foram lá pra casa. E nós fomos andando pro shopping, morrendo de medo, porque a rua tava deserta! Mas foi super divertido! Voltamos pra casa com meu pai, fizemos a maior zorra no quarto antes de dormir. No outro dia, fomos pro clube. Meu pai foi nos deixar lá e depois voltaria pra nos buscar. Ficamos a maior parte do tempo na piscina, comendo chocolate. Você lembra?
E agora, nós duas deixamos essa amizade esfriar tanto, talvez isso já fosse certo, até porque eu mudei de bairro, de escola e agora mudei de estado. Mas você ainda se fazia presente, porque namorava com meu amigo, e isso ajudava muito. Mas e agora?! Essa amizade não passa de marcas do passado? Não! Eu aprendi muito contigo, e pra mim, te conhecer não foi em vão! Viver tudo o que eu vivi, contigo, valeu muito a pena! Mesmo que agora, a intensidade da amizade não seja a mesma de cinco anos atrás, você tem um lugar muito importante dentro de mim, eu não abro mãos disso jamais. É, esse discusso tá bem clichê. Mas eu sei, que pra você, todas essas palavras soaram verdadeiras. Porque você viveu, você sentiu tudo isso.
Apesar de muitas vezes, eu não demonstrar, (oh, que novidade) eu amo você, viu?

Continue lendo >>

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Os eternos quatro anos.

Lembro-me muitíssimo bem do meu primeiro dia naquele lugar. Eu era aluna novata e nunca tinha estudado em uma escola tão grande quanto. Nunca tinha estudado em uma escola que batia sinal, que tinha que comprar ficha pra catina, que tinha auditório, biblioteca, enfim. Cheguei meio assutada com minha bolsa super rosa da Hello kitty, é (oi?). E logo quem veio me receber? Uma das mais amáveis supervisoras daquela escola. Uma gordinha, baixinha, que lambe os cabelos pra trás e usa óculos: Téssia/Tessinha. Ela me perguntou em que série eu estava, e eu, meio desligada com esse lance de 'quinto ano, sexto ano', falei 'quinta-série'. Daí ela me levou pra uma classe repleta de alunos e de barulho. A sala estava formada em grupos e eu logo me enturmei com uns nerds. A gente começou a conversar sobre idade e eu descobri que estava na sala errada! Aquela, na verdade é o quintO ano, e não a quintA série. Ninguém acreditou em mim, disseram que eu tava enganada. Então eu parti pra porrada! Brincadeira, chamei a professora e avisei. Daí Tessinha me levou pra minha sala correta. Foi um choque quando cheguei. O maior silêncio na sala e eu parecia ser um imã que atraia todos os olhares. Só tinha uma cadeira vaga lá no fundão, e eu sentei. O professor de história já tinha enchido o quadro, mas eu nem copiei. Tinha uma menina do meu lado, com o pé engessado e cara de menino malandro. Hoje ela é uma das minhas melhores amigas: Elisa.
Já ia tocar pro intervalo, e eu fiquei com uma menina que sentava na minha frente. Aprendi tudo sobre colégio, e estudei lá por longos 4 anos. Os melhores 4 anos da minha vida. Aquela escola era minha casa. Minha igreja. Foi alí que eu conheci meus melhores amigos, foi alí que eu fiquei de recuperação pela primeira vez (tenso), foi alí que eu comecei a conhecer pessoas de outros colégios, que comecei a fazer tênis de mesa (nem jogo bem), que fui icentivada a voltar a tocar violão, foi alí que passei minhas tardes fazendo NADA, era alí que o pessoal da cantina já sabia qual era meu lanche: queijada com Sprite, foi alí que eu pude ser apresentadora de um projeto pra escola inteira e visitantes (vestida de Maria Bonita, detalhe.) Foi alí que eu toquei guitarra na festa da Colheita (tenso).
Cara, eu devo MUITA coisa à essa escola, tenho muito orgulho de ter estudado lá. E apesar de não ser a maior ou mais conhecida da capital, foi a melhor que eu já estudei, a que eu mais amo, é a escola do meu coração. Pegar minha transferência alí, foi umas das piores coisas pra mim. E qual é a escola que te dá chazinho independente do que você esteja sentindo? Tá com dor de cabeça? Toma chazinho. Levou uma porrada? Toma chazinho. Arrancaram sua perna? Toma chazinho!
Vai ficar pra sempre na minha memória, aquele bando de pessoinhas com aquela fardinha verde, que eu amava. Pra sempre aluna Bereiano!

Aniversário surpresa Raquel Neri. Ps: Elisa é a de camisa vermelha e short. Hahuha.

Continue lendo >>

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Dramas /pronto,falei.


Eu, particularmente, odeio dramas. Aquela historinha de "você não me ama" ou algo do tipo, me enche o saco e liberta o meu lado mais chata possível. Pra mim, isso é coisa de gente muito carente mesmo. Nem eu, que tô num lugar que mal conheço e numa escola que não conheço quase ninguém, fico com essas frecuras. Hoje mesmo, na hora do intervalo, eu tava com uma colega minha, que também é novata, e com outros veteranos. Entre eles um menino da minha sala, que conheci ontem: Éber. A gente tava andando, só que de repente, eu e Juliana achamos outras colegas novatas nossas com um monte de livro, aí gente foi lá ver o que era, hihi. E o resto continuou andando. Depois quando eu voltei pra minha sala, Éber veio na minha mesa e disse "Ó, se você não quiser ficar andando comigo é só avisar, certo?" E eu com a maior cara de "hã?" do mundo. E agora ele tá aqui, me aperriando no msn. Já falei que também odeio gente pegajosa? É. Já bastam os meus amigos antigos, que eu já tô acostumada, apesar de dar alguns chiliques de vez em quando...



eber felipe diz:
te adicionei no orkut

Mayara Cunha diz:
ja ja eu aceito, pq eu nem to on no orkut =D
ok?

eber felipe diz:
me add

Mayara Cunha diz:
é

eber felipe diz:
e oq?
adicionasse?
no orkut

Mayara Cunha diz:
nao to on no orkut ainda
eu vou entrar ja ja

eber felipe diz:
kd?

eber felipe acabou de chamar a sua atenção.



Grrr...

Continue lendo >>

sábado, 6 de fevereiro de 2010

De imediato.


E foi naquele fim de tarde, quando o sol já tava prestes a se pôr, que eu lhe encontrei. A sorveteria estava iluminada por uma luz laranja, bem sublime. Eu estava alí, na mesa próxima ao balcão, sentindo o vento suave, quando você chegou e pediu uma água sem gás e bem gelada. E sentou logo alí, sozinho, com aquela camisa verde que você adora, cabelo bagunçado e olhos inchados, com os cotovelos apoiados na mesa, segurando sua garrafa de água com dois canudos dentro. Eu observei você chegar, discretamente, não conseguia parar de olhar a sua boca se mechendo e ouvir o timbre da sua voz que tava me soando como música. Você já tinha me notado antes de afastar a cadeira pra sentar. Lembro-me do seu perfume, um cheiro de desejo, de vontade, eu conseguia sentir dalí. Você me olhou de uma forma que eu nunca tinha sido olhada antes, o olhar mais lindo que já vi em toda a minha vida. Minha barriga começou a gelar e eu já não sentia mais minhas pernas, não ouvia mais barulho nenhum, o mundo parecia ter silenciado, só conseguia ouvir meu coração batendo em sintonia com o seu. Pude perceber seu olhar fixo em mim, mas não tinha coragem suficiente de levantar minha cabeça e te encarar de novo. Mas você não tirou os olhos de mim. Foi então que eu comecei a estralar os dedos e vi que alguém se aproximava da minha mesa, quando levantei os olhos, lhe vi em pé, sorrindo pra mim de um jeito apaixonante, perguntando se pudia sentar, e eu, é claro, disse que sim. Foi aí que começamos a nos conhecer, e eu passei a lhe amar cada dia mais. Amar o seu jeito de se vestir, a forma que você falava comigo, o seu sorriso, o jeito que você anda, cada expressão sua. Eu passei a conhecer todas as suas manias, e o meu coração palpitava cada vez que o telefone tocava com o seu nome. E agora eu posso dizer com toda certeza, você realmente marcou a minha vida. Eu amo você.

Continue lendo >>

Formatura de recepção aos novos alunos.



Bem, eu cheguei no Colégio de 6h40min, já estava todo mundo lá. O sargento Júnior falou um monte de coisa, que hoje seria o ultimo dia que o grupamento Delta se reuniria e bláblá. Depois todos nós entramos em forma, e graças à Deus, eu não fiquei à esquerda da menina de ontem, porque, que menina lesada, viu. Quem ficou do meu lado, nem sei escrever o nome dele, mas se lê assim: Xuaicart, kkk. Aí a gente foi marchando lá pra fora do colégio, todo mundo desorientado, olhando pros lados, procurando seus pais, e essa coisa toda. Depois que os alunos novos e a banda entraram, nós fomos em uma fila enorme, entrando no colégio. E o menino que tava atrás de mim pisou cinco vezes no meu tênis. Ele não matinha a distância e eu tava com o pé fora do tênis, só que não podia arrumar, tava marchando. Quando ele pisou da sexta vez, eu virei de lado e gritei "PÁRAA!". Entramos em forma, cantamos o hino, fizemos juramento, enfim. Depois marchamos pra outro canto e os pais foram lá onde a gente tava. Minha mãe, finalmente, trouxe uma água pra mim que eu bebi feito uma desesperada. Tiramos fotos e pá, e eu aproveitei pra amarrar o cadarço e colocar o pé no tênis ¬¬. Depois desfilamos atrás dos alunos antigos, tudo bem perfeitinho. E então finalmente, entramos no auditório e pudemos sentir o ar condicionado (arrr). Foi aí que eu tive a oportunidade de falar pro menino pisador de tênis: "Da próxima vez, tome cuidado, pra não sair pisando nos tênis dos outros." Aí a gente ficou maior tempão ouvindo o Coronel Iran falar, depois fomos embora.
Segunda-feira começa a luta, é nois na 101!

Continue lendo >>

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Rápidas demais.


Não consigo entender, como essas menininhas conseguem se apaixonar tão rápido. De uma hora pra outra, conhece um menino, quando conhece, e em menos de três dias já está caindo de amores por ele. E eu não tô exagerando não! Depois enjoa, ou desiste porque o menino não dá bola, fica umas três semanas "quieta", depois já tá com um novo amor de novo. Eu, realmente, não consigo entender, quando chego no Orkut delas, e um monte de textinho falando pra não banalizar o amor, "te amo não é bom dia", como é que pode? Por que, meu Deus, porquê? ahah.
Eu sou totalmente diferente, nos meus longos 14 anos de vida (hihi), só me apaixonei uma vez e foi na segunda série! Que durou até a quinta! hahaha. Não consigo gostar de uma pessoa e outra tão rápido assim. AMIGO é AMIGO, saber diferenciar isso de qualquer outra coisa é essencial.
Não se entregue tão facilmente. Na minha opinião, falar dos seus sentimentos pra algum menino, só depois que você o conhece bem, depois que você tem alguma certeza de que ele sente o mesmo por você. Porque aí ele teria duas opções, se ele não gostasse de ti: Ou ficar te usando, ou parar de falar contigo. Então vamos pensar bem e não meter os pés pelas mãos. Paixão é diferente de amor.

Continue lendo >>

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

A primeira vez que andei de ônibus, sozinha em Recife.

Foi uma das coisas mais emocionantes da minha vida (tsaááa). Bem, eu mal conhecia o caminho e as paradas que devia descer, o importante era andar de cabeça erguida, afinal, eu tava com a farda do CMR. Então, fui pra parada que tem em frente ao Colégio, e o meu ônibus passou, quando eu tava no caminho. Aí eu fiquei esperando outro. Só que, eu não sei se sou só eu, mas eu nunca consigo enxergar os letreiros digitais dos ônibus, principalmente quando Recife se encontra nesse horário fresquinho, que é o MEIO DIA, mas mesmo assim, fiquei olhando pra direção que o ônibus deveria vir. Ainda bem que pediram parada e só quando ele parou, eu pude ler e confirmar que era o meu. Entrei, me achando. Desci na segunda parada e logo de imediato, o meu outro ônibus passou. Peguei toda orgulhosa também. E voltei o resto do caminho andando pra casa.
O negócio nem foi pegar ônibus sozinha, pela primeira vez, em uma das cidades mais violentas do país, sem saber o caminho direito. O fato era: EU TAVA DE FARDA.



Acho que me identifico com o ... cara (?) que está na terceira cadeira, do seu lado esquerdo. Risos.

Continue lendo >>

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Empolgation [modeON]


Ontem eu passei o dia todo pensando no que postar, então resolvi nem escrever nada, pra não sair besteira (o que não é de costume -não sair besteira, viu).
Hoje foi meu primeiro dia de aula na escola que eu sempre sonhei estudar, pois é, acredite ou não, eu sempre sonhei estudar em um Colégio Militar e quando cheguei na quinta série, o lugar que eu morava (Natal) não tinha CM. Quando me mudei pra Recife, minha maior, e talvez unica, empolgação pra vir foi estudar lá. Esperei longos seis meses para isso, mas o dia chegou! E foi hoje!
Acho que esse foi o unico ano que não me senti nervosa um dia antes do primeiro dia de aula. Foi tranquilo. Tirei todas as minhas pulseiras e meu anel, me senti sem mão, mas cheguei lá! Não fiz nenhum amigo de primeira, só observei, sempre faço isso.
Depois que nos apresentamos (não, não foi aperto de mão: *prestando continência* ''ALUNA 4088 MAYARA, 3ª COMPANHIA'' *posição de sentido* ''PERMISSÃO PRA FALAR!'' *posição de descansar'') Woow, achei o máximo. Mas depois pensei que ninguém iria falar com outro dessa forma. Mudei de ideia depois que vi a sargento falando com uma tenente, oi.
Depois fomos marchar. Achei tudo muito lindo. Meu ''batalhão'' é de nono ano, primeiro ano e segundo ano, o Delta.
No começo o Major tava querendo botar medo na gente, dizendo que os veteranos costumam rsicar as camisas dos bixos, mas ahn, nem ligo. Am, depois de muitas esquerdas, direitas e meias voltas volver, de marchar pela escola, de ficar imóvel na frente do sargento, eu pude voltar pra casa feliz /êe. Meus pés tão doendo muito.
Ahn e fiz três coleguinhas. Bruna, Juliana e ..Larissa (eu acho) Depois eu conto mais, postar no blog empolgada demais nunca dá certo comigo! ahaha.

Continue lendo >>

REVOLTAA!!111!!!!!1

10 comentários
Eu sempre fico revolts com as novelas, em geral. Independente do canal, horário, tema... É tudo a mesma coisa! As pessoas que estão com toda a razão, são vilanizadas (?) na novela. E os mocinhos, são os cretinos, cafagestes e safados, da vida real. Vê se pode!
Tomemos como exemplo, a novela das sete"Tempos Modernos", da Rede Globo. A Nelinha, interpretada por Fernanda Vasconcellos, é uma tremenda de uma lambisgóia! Vejamos pelo lado que: Ela começou a 'namorar' o Zeca (Thiago Rodrigues) SABENDO que ele já tinha namorada! A Nara (Priscila Fantin)! Tudo bem que ela é uma superfofa, de personalidade forte. Eu até me identifico com ela, em alguns pontos -n.
Agora vejam o Leal Cordeiro (Antônio Fagundes). Ele não é o coitadinho não. Na novela, ele é o corretíssimo rei, e o Niemman (Marcos Caruso) é do mal e vingativo. Quando na verdade não é! O Leal ficou com a mulher dele. Vale ressaltar que ele era o seu melhor amigo e que o Leal era casado, na época. E teve um filho com a Hélia (Eliane Giardini), esposa do Niemann. Tudo bem que ele não sabe, mas PERAE, ELE ERA CASADO E PEGOU A MULHER DO AMIGO, diz aê.
E agora o Niemann que é o dumal, nojeto e tudo de eca.



Ok, vamos agora para "Viver a Vida". O que me deixa mais revoltada a ponto de socar a TV -n é esse lance de Jorge X Miguel. O autor da novela já quis escandalizar desde que Luciana (Aline Moraes) viajou pra Petra. Até aí Miguel (Mateus Solano) era um cafageste nojento que dava em cima da namorada do irmão e não levava nada a sério, o trabalho. O negócio dele era viver se preocupando com a Renata (Bárbara Paz), que nem ligava para os seus conselhos, mas era a-paixona-da por ele. O Jorge era um namorado, que apesar de não ter tempo pra Luciana, sempre que dava dizia que a amava e pan.
Voltando.. Só foi a Luciana viajar pra Petra, pras coisas mudarem /suspense.
Ela traiu o Jorge por lá (e ninguém até hoje tomou conhecimento dessa história.. mas agora que ela virou boazinha quem se importa, né?) .. Assim que voltou tetraplégica, o Miguel se transformou o homem mais romântico, responsável, fofinho e mimimi do mundo. Aproveitou-se de sua profissão pra dar em cima da namorada do irmão, que ele sempre amou.
Desde então, Luciana começou a se entregar nos braços dele e nem lembrava mais do Jorge. Tudo bem que ele mal a visitava, mas o Miguel tava na frente, por causa da sua profissão.
A partir daí as brigas dos dois, tornaram-se constantes e eu sempre dei apoio TOTAL ao Jorge, porque o Miguel dava SIM em cima da Luciana. Tudo bem que o Jorge exagerava de vez em quando, mas quem é que não tem ciumes da namorada com o próprio irmão? Daí Tereza, Ingrid, Leandro, Marcos E ATÉ MESMO A LUCIANA, começaram a dar razão ao Miguel, que se aproveitava do trabalho pra ganhar sua amada.
Aí as crises de ciume do Jorge se agravaram a ponto de não querer mais o irmão por perto da Luciana que já tava arrastando maior peixe pro lado do Miguel. Porque a Luciana não chegou pro Jorge e disse tudo o que sentia? Foi preciso ele sofrer tanto, ouvir de todo mundo, mesmo que indiretamente, que o cara certo pra sua namorada era seu próprio irmão?!
Enquando isso a "pobre" Renata ficou semanas sem notícias do Miguel, quando aproveitou pra pegar o bonitão do Rodrigo Hilbert. Até que FINALMENTE, Luciana decide terminar com o Jorge... Que se jogou na bebida, prostituas, drogas, BRINKS. /mas foi quase isso.
Agora vejamos a Isabel. Irmã da Luciana. Todo mundo a vê como a mimada malvada, quando na verdade NÃO É! Tudo bem que ela exagera, de vez em quando, mas ela é uma das personagens que eu mais gosto na novela e a mais realista! A Teresa dá SIM atenção maior pra Luciana, e o Marcos também. Até a Mia! Talvez a Mia se veja na obrigação de ficar babando a Luciana junto com os pais, pelo fato de ser adotada. Talvez ela não tenha coragem de dizer o que pensa com medo de, sei lá, jogarem tudo na cara dela e a expulsarem de casa Q /viajei, eu acho.
Mas, muitas vezes, a Isabel tá corretíssima. Ela é super carente do amor da mãe. E a Teresa e o Marcos exageram DEMAAAAAAIS nesse mimimi com a Luciana. Uma das cenas mais emocionantes, envolvendo a Isabel pra mim, foi uma que a Teresa disse; "Isabel, quando você for mãe, você irá me entender" /se referindo a Luciana, claro. Aí a Isabel respondeu; "Quando eu for mãe, eu só terei UM filho. Que é pra não correr o risco de ter preferências por um e por outro não. Como você e o papai."Aí ela se retirou. E a Teresa e a Mia ficaram achando aquilo um absurdo!! VÊ SE PODEE!

EU FICO REVOLTS COM ESSAS COISAS!





*Por favor não me esculachem nos comentários, ahaha. Dei minha opinião, poxa! xD
*Próximo post, já estarei normal. Tava precisando desabafar, hahahahaha. Beeijo!

[não consigo comentar nesse blog -> http://eusouajeyse.blogspot.com/ porque não tem o link pra comentário =S]

Apenas uma companhia.

8 comentários
E já não era aquilo que ela precisava. Não precisava de roupas novas, dos conselhos desnecessários, que já nem haviam mais. Ela não precisava de muito dinheiro. Precisava de uma companhia. De alguém que ela pudesse falar tudo o que já estava guardando a algum tempo. Não seria preciso palavras. Palavras machucam, às vezes. E ela não era boa em se expressar. Necessitava de um olhar compreensivo, companheiro. Só.
Ela precisava abandonar aquele sentimento que prendia suas lágrimas nos olhos, que a calava quando ela mais queria falar, aquele sentimento que dizia pra ela ser forte o tempo todo.
Já não adiantava mais esconder de si mesma o que estava sentindo. Não adiantava responder que tava bem o tempo todo e demonstrar uma suposta felicidade inexistente em seu olhar. Não adiantava! E ainda não adianta.

--
Tipo, eu achei esse texto meio sem sentido, bem nada a ver. Eu fiquei um tempão pra escrever apenas essas linhazinhas! É, eu tô meesmo sem inspiração. Por isso a demora pra postar aqui. Foi só pra atualizar mesmo (?) Beijo!

So far and yet so near.

9 comentários

Foram dias tão bons com você, exatamente dezessete dias vividos intensamente. E eu me lembro daquele... Como sempre, eu acordei, e você já estava sentada na cama, olhando pra mim e rindo, dizendo que já estava a um tempão tentando me acordar e que eu não parava de mecher os pés quando você tocava no meu braço. Depois de um tempo, você me ajudou a vencer a preguiça e me esperou, até que eu tomasse banho, para que nós almoçassemos juntas.

No fim da tarde, nós fomos pra quadra de basquete, e eu assisti você jogar com um monte de gente. Você já tava morrendo, mas não parava de correr de um lado pra outro. Deve ser por isso que você perdeu a ultima partida, e ainda ficou dizendo que era por que eu não estava torcendo por você!

Já tava escuro, e nós estávamos muito cansadas e suadas, e fomos bem devagar subindo aquela ladeira que se tornou imensa, naquele dia. Você se imaginava A jogadora, e eu era a repórter que te entrevistava depois de uma derrota. Pois é, a líder de time, tem que ser forte sempre! Você estava toda empolgada, com direito a foto pra capa da revista e tudo, até autógrafos!

Nós já estávamos em frente àquela casa que tava tendo um aniversário todo cheio de balões e pessoas, quando você deu um grito e pulou em cima de mim, atraindo os olhares de todo mundo. Era só um sapo. Mais um sapo. Hahaha, e a gente saiu morrendo de rir feito duas abestalhadas até chegar em casa, passando de fininho, por trás dos outros sapos que encontrávamos no caminho, pra eles não nos notar e decidir, sei lá, nos atacar com o seu xixi letal, que você sempre falava.

Finalmente chegamos em casa, todas suadas, e morrendo de preguiça de tomar banho. Ficamos enrolando por um bom tempo, assistindo TV, até criamos coragem e você foi pra sua casa. Depois voltou. Nós já estávamos limpas! \o

Ficamos conversando naquela sala por um bom tempo. Eu estava deitada na rede, e você sentada no sofá, me balançando com os pés. Você até fez aquela dancinha, que todo mundo que tava lá fora viu, pela janela! Lembra?

Depois de muita coca-cola e conversas jogadas fora, fomos lá pra fora. Pra varanda. E você ficou deitada com a cabeça no meu colo, no chão. E eu fiquei mechendo no seu cabelo como você sempre fazia comigo. Meu cabelo que eu odeio pentear, você adora. A gente conversou sobre tudo. Assuntos super sérios que, como sempre, terminaram em besteira, tipo "você sabe piscar um olho só?" ou fazer aquele barulho com a boca, que parecia um gato, que só eu sei fazer. Mas só você sabe piscar o olho tão bem.

É, e esses mínimos detalhes podem até parecer besteira, mas são eles um das coisas que mais significa pra mim, esse detalhes que te fazem uma pessoa mais especial do que já é. Porque brincar de dar murro, nunca dizer "eu te amo", ficar pulando pelo shopping, esmagar sapos, pular na cama elástica de vestido, virar um barco, discutir sobre a Lua, treinar em casa as coisas que você me ensina, entender seus olhares e muitas outras coisas. É tudo muito significativo pra mim.

Porque apesar de você parecer ser uma ''sem sentimentos'', você é super gay por dentro, capaz de me dizer que eu não demonstro nada por você, me obrigando a fazer uma carta de madrugada, super gay também, e que foi respondida por outra mais gay ainda! Haha. Você sabe o que eu gosto e o que eu não gosto. Quando estou feliz ou triste. E sabe a hora certa de me dizer a coisa certa.

E agora você está tão longe. Longe o suficiente pra eu te amar mais.

Selinho.

1 comentários
Ér, recebi e tenho que dar pra sete blogs. E dizer sete coisas de mim? Eu nem sabia o que era isso, depois ue eu vim me ligar, hihi. Mas obrigada Anninha e Ada (:






  1. Não gosto do lugar que moro, queria ir embora.
  2. Só me apaixonei uma vez.
  3. Sou muuito enjoada pra comer.
  4. Quero fazer vestibular pra Medicina, mas andei pensando em coisas nada a ver, tipo fazer IME ou ITA, que são concursos muito concorridos da aeronautica e do exército, e é ligado a Engenharia e tal. E para isso tô estudando na segunda, terça e quinta, a tarde toda na escola: Quimica, Física, Matemática, História e redação.
  5. Dizem que sou "bruta" às vezes, mas eu nem acho, hehe.
  6. Odeio gente pegajosa e que faz drama.
  7. Não aceito desconhecidos no Orkut.. (oi?)

E esse selinho vai PARAAAAAAAAAAAAA...

  1. caradecotoca.blogspot.com - de Ada Lílian
  2. aboutanninha.blogspot.com - de Anna Beatriz
  3. sooo-contagious.blogspot.com - de Anna Vitória
  4. tepegoas7.blogspot.com/ - ...
  5. b-glad.blogspot.com/ - de Thaís A.
  6. isthetop.blogspot.com/ - de Marie Raya
  7. colunadacary.zip.net/ - de Cary

Beijos.

Você se lembra?

6 comentários
Tá bem guardadinho na minha memória, quando você chegou na escola. Com uma farda super vermelha que se destacava na sua pele branquíssima. Você toda tímida, com seu óculos pretinho. Quase todo mundo já se conhecia, menos você, que raramente dizia uma palavra. Eu já tinha meu grupo de amigos, mas foi inevitável se tornar a sua também. No início, eu lembro, que alguns tinham ciumes da minha amizade com você, mas eu simplesmente não ligava.
Eu passei a voltar naquele transporte escolar azul, do seu pai, com você. E a gente conversava de tudo, desde o exercício de Matemática ao tênis rosa da menina da 4ª série. Você morava a poucos metros da minha casa e, por isso, éramos as ultimas a sairmos da van, o que rendia altos papos.
Eu amava meu professor de Português, aliás, o melhor que eu já tive! "Tio Beto". Ele gostava muito de mim também, me achava uma aluna super aplicada e sempre me emprestava seus livros, pra eu xerocar. Ah, ele me chamava de 'lagarta listrada', e eu simplesmente, achava o máximo. Confesso que ouve uma época que morri de ciumes do Tio Beto com você. Afinal, ele tava te babando demais, e eu sentia que ele não ligava mais pra mim, era tudo drama da minha parte (e olhe que eu odeio). E essa foi a nossa primeira briguinha! Não só nossa, mas da sala inteira! Nós não adimitíamos o nosso professor favorito babando uma NOVATA! Mas a gente passou apenas uns dois ou três dias sem se falar. Era quase impossível ficar sem falar contigo, estudávamos na mesma sala, voltávamos na mesma van, morávamos praticamente uma em cima da outra!
Foi um ano intenso esse nosso, hein?! Eu vivia na sua casa, comendo os deliciosos bolos de tia Lúcia, e apesar de morar pertinho de você, sempre que dava, eu almoçava lá. Eu adorava ir na sua casa e brincar de ser 'doutora'. Pegava um folha de ofício, e fazia um formulário que você respondia, e eu assinava, dava autógrafos, depois pegava a chave do meu carro e dirigia até a minha casa. Então, era a sua vez de ser 'doutora'. Era engraçado o jeito que nós estudávamos, você lembra? Eu fazia um questionário pra você e você pra mim. Aí respondiámos e corrigíamos com direito ao visto e tudo mais. Eu lembro aquele dia que você passou a tarde lá em casa, e nós nos divertimos com a rede, balançando pra lá e pra cá, e na hora de lanchar, você, com vergonha da minha mãe (?) tomou um suco de acerola mesmo sem gostar! Hahah, bestinha! Eu que não tomaria um suco sem gostar, na sua casa!
Eu lembro também do dia em que você menstruou pela primeira vez. Menina, era uma super novidade, aquilo, pra mim, fiquei pasma! Foi na reunião de pais e mestres, em que eu fiquei lá na frente junto com meus amigos e você, toda adulta, no meio dos pais, sentada, ouvindo a diretora fazer aquele velho e chato discurso.
Até que um dia, a gente brigou. E nem foi pessoalmente. E por motivos muito bestas, deixamos de nos falar de verdade. Eu já tinha mudado de bairro, de escola. Pra mim ficaria mais fácil deixar de falar com você. Pra você talvez, não. Ou talvez sim.
Eu fiz novos amigos, e como fazia muito tempo, a nossa amizade já não me fazia tanta falta assim. Mas vê como é o destino! Voltamos a nos falar de novo, e a intensidade da amizade voltou. Nós voltamos a fazer as mesmas coisas (menos brincar de doutora, ahaha). Eu dormia na sua casa, fazíamos programas de amigas... E um que eu nunca vou esquecer, foi aquele dia que você e nossa outra amiga, foram lá pra casa. E nós fomos andando pro shopping, morrendo de medo, porque a rua tava deserta! Mas foi super divertido! Voltamos pra casa com meu pai, fizemos a maior zorra no quarto antes de dormir. No outro dia, fomos pro clube. Meu pai foi nos deixar lá e depois voltaria pra nos buscar. Ficamos a maior parte do tempo na piscina, comendo chocolate. Você lembra?
E agora, nós duas deixamos essa amizade esfriar tanto, talvez isso já fosse certo, até porque eu mudei de bairro, de escola e agora mudei de estado. Mas você ainda se fazia presente, porque namorava com meu amigo, e isso ajudava muito. Mas e agora?! Essa amizade não passa de marcas do passado? Não! Eu aprendi muito contigo, e pra mim, te conhecer não foi em vão! Viver tudo o que eu vivi, contigo, valeu muito a pena! Mesmo que agora, a intensidade da amizade não seja a mesma de cinco anos atrás, você tem um lugar muito importante dentro de mim, eu não abro mãos disso jamais. É, esse discusso tá bem clichê. Mas eu sei, que pra você, todas essas palavras soaram verdadeiras. Porque você viveu, você sentiu tudo isso.
Apesar de muitas vezes, eu não demonstrar, (oh, que novidade) eu amo você, viu?

Os eternos quatro anos.

6 comentários
Lembro-me muitíssimo bem do meu primeiro dia naquele lugar. Eu era aluna novata e nunca tinha estudado em uma escola tão grande quanto. Nunca tinha estudado em uma escola que batia sinal, que tinha que comprar ficha pra catina, que tinha auditório, biblioteca, enfim. Cheguei meio assutada com minha bolsa super rosa da Hello kitty, é (oi?). E logo quem veio me receber? Uma das mais amáveis supervisoras daquela escola. Uma gordinha, baixinha, que lambe os cabelos pra trás e usa óculos: Téssia/Tessinha. Ela me perguntou em que série eu estava, e eu, meio desligada com esse lance de 'quinto ano, sexto ano', falei 'quinta-série'. Daí ela me levou pra uma classe repleta de alunos e de barulho. A sala estava formada em grupos e eu logo me enturmei com uns nerds. A gente começou a conversar sobre idade e eu descobri que estava na sala errada! Aquela, na verdade é o quintO ano, e não a quintA série. Ninguém acreditou em mim, disseram que eu tava enganada. Então eu parti pra porrada! Brincadeira, chamei a professora e avisei. Daí Tessinha me levou pra minha sala correta. Foi um choque quando cheguei. O maior silêncio na sala e eu parecia ser um imã que atraia todos os olhares. Só tinha uma cadeira vaga lá no fundão, e eu sentei. O professor de história já tinha enchido o quadro, mas eu nem copiei. Tinha uma menina do meu lado, com o pé engessado e cara de menino malandro. Hoje ela é uma das minhas melhores amigas: Elisa.
Já ia tocar pro intervalo, e eu fiquei com uma menina que sentava na minha frente. Aprendi tudo sobre colégio, e estudei lá por longos 4 anos. Os melhores 4 anos da minha vida. Aquela escola era minha casa. Minha igreja. Foi alí que eu conheci meus melhores amigos, foi alí que eu fiquei de recuperação pela primeira vez (tenso), foi alí que eu comecei a conhecer pessoas de outros colégios, que comecei a fazer tênis de mesa (nem jogo bem), que fui icentivada a voltar a tocar violão, foi alí que passei minhas tardes fazendo NADA, era alí que o pessoal da cantina já sabia qual era meu lanche: queijada com Sprite, foi alí que eu pude ser apresentadora de um projeto pra escola inteira e visitantes (vestida de Maria Bonita, detalhe.) Foi alí que eu toquei guitarra na festa da Colheita (tenso).
Cara, eu devo MUITA coisa à essa escola, tenho muito orgulho de ter estudado lá. E apesar de não ser a maior ou mais conhecida da capital, foi a melhor que eu já estudei, a que eu mais amo, é a escola do meu coração. Pegar minha transferência alí, foi umas das piores coisas pra mim. E qual é a escola que te dá chazinho independente do que você esteja sentindo? Tá com dor de cabeça? Toma chazinho. Levou uma porrada? Toma chazinho. Arrancaram sua perna? Toma chazinho!
Vai ficar pra sempre na minha memória, aquele bando de pessoinhas com aquela fardinha verde, que eu amava. Pra sempre aluna Bereiano!

Aniversário surpresa Raquel Neri. Ps: Elisa é a de camisa vermelha e short. Hahuha.

Dramas /pronto,falei.

8 comentários

Eu, particularmente, odeio dramas. Aquela historinha de "você não me ama" ou algo do tipo, me enche o saco e liberta o meu lado mais chata possível. Pra mim, isso é coisa de gente muito carente mesmo. Nem eu, que tô num lugar que mal conheço e numa escola que não conheço quase ninguém, fico com essas frecuras. Hoje mesmo, na hora do intervalo, eu tava com uma colega minha, que também é novata, e com outros veteranos. Entre eles um menino da minha sala, que conheci ontem: Éber. A gente tava andando, só que de repente, eu e Juliana achamos outras colegas novatas nossas com um monte de livro, aí gente foi lá ver o que era, hihi. E o resto continuou andando. Depois quando eu voltei pra minha sala, Éber veio na minha mesa e disse "Ó, se você não quiser ficar andando comigo é só avisar, certo?" E eu com a maior cara de "hã?" do mundo. E agora ele tá aqui, me aperriando no msn. Já falei que também odeio gente pegajosa? É. Já bastam os meus amigos antigos, que eu já tô acostumada, apesar de dar alguns chiliques de vez em quando...



eber felipe diz:
te adicionei no orkut

Mayara Cunha diz:
ja ja eu aceito, pq eu nem to on no orkut =D
ok?

eber felipe diz:
me add

Mayara Cunha diz:
é

eber felipe diz:
e oq?
adicionasse?
no orkut

Mayara Cunha diz:
nao to on no orkut ainda
eu vou entrar ja ja

eber felipe diz:
kd?

eber felipe acabou de chamar a sua atenção.



Grrr...

De imediato.

8 comentários

E foi naquele fim de tarde, quando o sol já tava prestes a se pôr, que eu lhe encontrei. A sorveteria estava iluminada por uma luz laranja, bem sublime. Eu estava alí, na mesa próxima ao balcão, sentindo o vento suave, quando você chegou e pediu uma água sem gás e bem gelada. E sentou logo alí, sozinho, com aquela camisa verde que você adora, cabelo bagunçado e olhos inchados, com os cotovelos apoiados na mesa, segurando sua garrafa de água com dois canudos dentro. Eu observei você chegar, discretamente, não conseguia parar de olhar a sua boca se mechendo e ouvir o timbre da sua voz que tava me soando como música. Você já tinha me notado antes de afastar a cadeira pra sentar. Lembro-me do seu perfume, um cheiro de desejo, de vontade, eu conseguia sentir dalí. Você me olhou de uma forma que eu nunca tinha sido olhada antes, o olhar mais lindo que já vi em toda a minha vida. Minha barriga começou a gelar e eu já não sentia mais minhas pernas, não ouvia mais barulho nenhum, o mundo parecia ter silenciado, só conseguia ouvir meu coração batendo em sintonia com o seu. Pude perceber seu olhar fixo em mim, mas não tinha coragem suficiente de levantar minha cabeça e te encarar de novo. Mas você não tirou os olhos de mim. Foi então que eu comecei a estralar os dedos e vi que alguém se aproximava da minha mesa, quando levantei os olhos, lhe vi em pé, sorrindo pra mim de um jeito apaixonante, perguntando se pudia sentar, e eu, é claro, disse que sim. Foi aí que começamos a nos conhecer, e eu passei a lhe amar cada dia mais. Amar o seu jeito de se vestir, a forma que você falava comigo, o seu sorriso, o jeito que você anda, cada expressão sua. Eu passei a conhecer todas as suas manias, e o meu coração palpitava cada vez que o telefone tocava com o seu nome. E agora eu posso dizer com toda certeza, você realmente marcou a minha vida. Eu amo você.

Formatura de recepção aos novos alunos.

2 comentários


Bem, eu cheguei no Colégio de 6h40min, já estava todo mundo lá. O sargento Júnior falou um monte de coisa, que hoje seria o ultimo dia que o grupamento Delta se reuniria e bláblá. Depois todos nós entramos em forma, e graças à Deus, eu não fiquei à esquerda da menina de ontem, porque, que menina lesada, viu. Quem ficou do meu lado, nem sei escrever o nome dele, mas se lê assim: Xuaicart, kkk. Aí a gente foi marchando lá pra fora do colégio, todo mundo desorientado, olhando pros lados, procurando seus pais, e essa coisa toda. Depois que os alunos novos e a banda entraram, nós fomos em uma fila enorme, entrando no colégio. E o menino que tava atrás de mim pisou cinco vezes no meu tênis. Ele não matinha a distância e eu tava com o pé fora do tênis, só que não podia arrumar, tava marchando. Quando ele pisou da sexta vez, eu virei de lado e gritei "PÁRAA!". Entramos em forma, cantamos o hino, fizemos juramento, enfim. Depois marchamos pra outro canto e os pais foram lá onde a gente tava. Minha mãe, finalmente, trouxe uma água pra mim que eu bebi feito uma desesperada. Tiramos fotos e pá, e eu aproveitei pra amarrar o cadarço e colocar o pé no tênis ¬¬. Depois desfilamos atrás dos alunos antigos, tudo bem perfeitinho. E então finalmente, entramos no auditório e pudemos sentir o ar condicionado (arrr). Foi aí que eu tive a oportunidade de falar pro menino pisador de tênis: "Da próxima vez, tome cuidado, pra não sair pisando nos tênis dos outros." Aí a gente ficou maior tempão ouvindo o Coronel Iran falar, depois fomos embora.
Segunda-feira começa a luta, é nois na 101!

Rápidas demais.

2 comentários

Não consigo entender, como essas menininhas conseguem se apaixonar tão rápido. De uma hora pra outra, conhece um menino, quando conhece, e em menos de três dias já está caindo de amores por ele. E eu não tô exagerando não! Depois enjoa, ou desiste porque o menino não dá bola, fica umas três semanas "quieta", depois já tá com um novo amor de novo. Eu, realmente, não consigo entender, quando chego no Orkut delas, e um monte de textinho falando pra não banalizar o amor, "te amo não é bom dia", como é que pode? Por que, meu Deus, porquê? ahah.
Eu sou totalmente diferente, nos meus longos 14 anos de vida (hihi), só me apaixonei uma vez e foi na segunda série! Que durou até a quinta! hahaha. Não consigo gostar de uma pessoa e outra tão rápido assim. AMIGO é AMIGO, saber diferenciar isso de qualquer outra coisa é essencial.
Não se entregue tão facilmente. Na minha opinião, falar dos seus sentimentos pra algum menino, só depois que você o conhece bem, depois que você tem alguma certeza de que ele sente o mesmo por você. Porque aí ele teria duas opções, se ele não gostasse de ti: Ou ficar te usando, ou parar de falar contigo. Então vamos pensar bem e não meter os pés pelas mãos. Paixão é diferente de amor.

A primeira vez que andei de ônibus, sozinha em Recife.

4 comentários
Foi uma das coisas mais emocionantes da minha vida (tsaááa). Bem, eu mal conhecia o caminho e as paradas que devia descer, o importante era andar de cabeça erguida, afinal, eu tava com a farda do CMR. Então, fui pra parada que tem em frente ao Colégio, e o meu ônibus passou, quando eu tava no caminho. Aí eu fiquei esperando outro. Só que, eu não sei se sou só eu, mas eu nunca consigo enxergar os letreiros digitais dos ônibus, principalmente quando Recife se encontra nesse horário fresquinho, que é o MEIO DIA, mas mesmo assim, fiquei olhando pra direção que o ônibus deveria vir. Ainda bem que pediram parada e só quando ele parou, eu pude ler e confirmar que era o meu. Entrei, me achando. Desci na segunda parada e logo de imediato, o meu outro ônibus passou. Peguei toda orgulhosa também. E voltei o resto do caminho andando pra casa.
O negócio nem foi pegar ônibus sozinha, pela primeira vez, em uma das cidades mais violentas do país, sem saber o caminho direito. O fato era: EU TAVA DE FARDA.



Acho que me identifico com o ... cara (?) que está na terceira cadeira, do seu lado esquerdo. Risos.

Empolgation [modeON]

2 comentários

Ontem eu passei o dia todo pensando no que postar, então resolvi nem escrever nada, pra não sair besteira (o que não é de costume -não sair besteira, viu).
Hoje foi meu primeiro dia de aula na escola que eu sempre sonhei estudar, pois é, acredite ou não, eu sempre sonhei estudar em um Colégio Militar e quando cheguei na quinta série, o lugar que eu morava (Natal) não tinha CM. Quando me mudei pra Recife, minha maior, e talvez unica, empolgação pra vir foi estudar lá. Esperei longos seis meses para isso, mas o dia chegou! E foi hoje!
Acho que esse foi o unico ano que não me senti nervosa um dia antes do primeiro dia de aula. Foi tranquilo. Tirei todas as minhas pulseiras e meu anel, me senti sem mão, mas cheguei lá! Não fiz nenhum amigo de primeira, só observei, sempre faço isso.
Depois que nos apresentamos (não, não foi aperto de mão: *prestando continência* ''ALUNA 4088 MAYARA, 3ª COMPANHIA'' *posição de sentido* ''PERMISSÃO PRA FALAR!'' *posição de descansar'') Woow, achei o máximo. Mas depois pensei que ninguém iria falar com outro dessa forma. Mudei de ideia depois que vi a sargento falando com uma tenente, oi.
Depois fomos marchar. Achei tudo muito lindo. Meu ''batalhão'' é de nono ano, primeiro ano e segundo ano, o Delta.
No começo o Major tava querendo botar medo na gente, dizendo que os veteranos costumam rsicar as camisas dos bixos, mas ahn, nem ligo. Am, depois de muitas esquerdas, direitas e meias voltas volver, de marchar pela escola, de ficar imóvel na frente do sargento, eu pude voltar pra casa feliz /êe. Meus pés tão doendo muito.
Ahn e fiz três coleguinhas. Bruna, Juliana e ..Larissa (eu acho) Depois eu conto mais, postar no blog empolgada demais nunca dá certo comigo! ahaha.

  ©A guardiã de memórias - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo