.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Apenas uma companhia.

E já não era aquilo que ela precisava. Não precisava de roupas novas, dos conselhos desnecessários, que já nem haviam mais. Ela não precisava de muito dinheiro. Precisava de uma companhia. De alguém que ela pudesse falar tudo o que já estava guardando a algum tempo. Não seria preciso palavras. Palavras machucam, às vezes. E ela não era boa em se expressar. Necessitava de um olhar compreensivo, companheiro. Só.
Ela precisava abandonar aquele sentimento que prendia suas lágrimas nos olhos, que a calava quando ela mais queria falar, aquele sentimento que dizia pra ela ser forte o tempo todo.
Já não adiantava mais esconder de si mesma o que estava sentindo. Não adiantava responder que tava bem o tempo todo e demonstrar uma suposta felicidade inexistente em seu olhar. Não adiantava! E ainda não adianta.

--
Tipo, eu achei esse texto meio sem sentido, bem nada a ver. Eu fiquei um tempão pra escrever apenas essas linhazinhas! É, eu tô meesmo sem inspiração. Por isso a demora pra postar aqui. Foi só pra atualizar mesmo (?) Beijo!

8 Comentários:

Ada Lílian disse...

Ai Inha, eu gostei muito.
Demonstrou o nosso sentimento às vezes, escondendo nossos sentimentos e até prendendo lágrimas. Eu amei, beeijos.

Thais Paixão disse...

Acho que esse sentimento tem nome: angústia, pode ser conhecido tabém como "nó na garganta"... é péssiomo e faz a gente se sentir tão, tão "sei lá", né?
Adorei o texto! =)

Thais Paixão disse...

também*
péssimo*
Odeio quando digito errado! =P

Anna Beatriz disse...

Isso é real? Gostei muito do texto :*

marcela disse...

Eu gostei do texto e pra mim fez todo sentido. As vezes não adianta fingir que tá tudo bem uma hora as lágrimas vão te denunciar.
Voltarei mais vezes.
bjos!

Anna disse...

Todo mundo sente-se assim vez ou outra. Ou sempre.
beijosy

Jey disse...

Gostei do texto. Gostei do blog ;)

T. disse...

Rpz...
eu gostei...
eu não sou mto boa de texto não...
mas o feeling foi de algo legal :)
abraçoss

Apenas uma companhia.

8 comentários
E já não era aquilo que ela precisava. Não precisava de roupas novas, dos conselhos desnecessários, que já nem haviam mais. Ela não precisava de muito dinheiro. Precisava de uma companhia. De alguém que ela pudesse falar tudo o que já estava guardando a algum tempo. Não seria preciso palavras. Palavras machucam, às vezes. E ela não era boa em se expressar. Necessitava de um olhar compreensivo, companheiro. Só.
Ela precisava abandonar aquele sentimento que prendia suas lágrimas nos olhos, que a calava quando ela mais queria falar, aquele sentimento que dizia pra ela ser forte o tempo todo.
Já não adiantava mais esconder de si mesma o que estava sentindo. Não adiantava responder que tava bem o tempo todo e demonstrar uma suposta felicidade inexistente em seu olhar. Não adiantava! E ainda não adianta.

--
Tipo, eu achei esse texto meio sem sentido, bem nada a ver. Eu fiquei um tempão pra escrever apenas essas linhazinhas! É, eu tô meesmo sem inspiração. Por isso a demora pra postar aqui. Foi só pra atualizar mesmo (?) Beijo!

8 comentários:

Ada Lílian disse...

Ai Inha, eu gostei muito.
Demonstrou o nosso sentimento às vezes, escondendo nossos sentimentos e até prendendo lágrimas. Eu amei, beeijos.

Thais Paixão disse...

Acho que esse sentimento tem nome: angústia, pode ser conhecido tabém como "nó na garganta"... é péssiomo e faz a gente se sentir tão, tão "sei lá", né?
Adorei o texto! =)

Thais Paixão disse...

também*
péssimo*
Odeio quando digito errado! =P

Anna Beatriz disse...

Isso é real? Gostei muito do texto :*

marcela disse...

Eu gostei do texto e pra mim fez todo sentido. As vezes não adianta fingir que tá tudo bem uma hora as lágrimas vão te denunciar.
Voltarei mais vezes.
bjos!

Anna disse...

Todo mundo sente-se assim vez ou outra. Ou sempre.
beijosy

Jey disse...

Gostei do texto. Gostei do blog ;)

T. disse...

Rpz...
eu gostei...
eu não sou mto boa de texto não...
mas o feeling foi de algo legal :)
abraçoss

  ©A guardiã de memórias - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo